Share, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Posted in:

Toque o sol

Pela pureza emocional das melhores lembranças, carpe diem

sol

Vez ou outra aparece alguém que te move. Uma pessoa que te surpreende e prende a atenção de alguma forma quase mística, e te faz repensar tudo o que você assume como verdade. Testa até corações peludos e corações de gelo com a irreverência que tem. Para mim acontece instantaneamente, porque sou captada pelo olhar, mais do que por qualquer outra coisa. Um olhar sustentado, aquela revirada nas entranhas como se a pessoa estivesse te lendo rápido demais. Como diria Bentinho, aqueles olhos de ressaca, que te tragam, te puxam e te abandonam na praia. É precioso.

Lembro da última vez que encontrei um par de olhos desses, estes sempre atrelados à uma personalidade complexa e instigante, mas ao mesmo tempo tão simples de entender, por que tudo está ali, descrito na retina. Me via embaraçada e obrigada a desviar o olhar, logo eu, a rainha de olhar diretamente nos olhos, por pura diversão com o constrangimento alheio causado por esse hábito… Acho que muitas vezes deixamos de apreciar esse tipo de momento por pura ansiedade. “E se não der certo” e “como eu vou me foder dessa vez” são pensamentos corriqueiros de qualquer pessoa que já teve uma certa experiência no âmbito amoroso.

Para mim são os olhos, mas poderia ser o sorriso, uma covinha, um jeito diferente de tocar. Ao invés de vivermos essa dádiva momentânea pelo que ela é, nos torturamos tentando nos blindar contra o poder viciante deste tipo de pessoa.

Nessa semana difícil, o meu recado é tão clichê que chega a dar vergonha de escrever, mas sabendo como é horrível conviver com lembranças nevoadas pela própria ansiedade, eu proponho o seguinte: quando encontrar alguma pessoa dessa, sinta. Sinta cada segundo, cada risada, cada queimadura de sol que ela vai te causar (essas pessoas são como o sol, me deixa ser brega). A vida é muito frágil para seguirmos todos os planos à risca.

<3

Escrito por Caroline Marques

Carol não gosta de falar de si na terceira pessoa, mas uma bio exige isso (aparentemente). Direto na jugular, sem filtro, riso fácil e romântica cética incurável. Advogada, filósofa de bar e psicóloga chinfrin de qualquer pessoa que peça um conselho. Tem mania de analisar tudo e não chegar à nenhuma conclusão. O preço da sua afeição é medido em cerveja, coxinha e hambúrguer. #pas

6 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *