Share, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Posted in:

AS DUAS PARTES DE UM ABUSO

-Você é carregador, o carregado?

2a9a8c685df3a3812ac4a731a106f67e

Já falei bastante aqui sobre relacionamentos abusivos, mas percebo que as pessoas ainda tem muita dificuldade para identificar e mais ainda, para aceitar que possam estar em um relacionamento deste tipo.
Toda vez que algum amigo me conta algum problema que está enfrentando no relacionamento, eu tento analisar qual das partes ele é na dupla: “o carregador ou o carregado”. Veja bem, todos os casais consistem em duas pessoas que ocupam duas posições distintas na relação: a parte mais sossegada e a parte mais tensa. Uma parece não ligar tanto, é mais tranquila, enquanto que a outra parece estar mais preocupada com as coisas do casal, em fazer tudo certo e buscar coisas novas e interessantes para curtirem juntos. Isso pode parecer que uma das partes “ama mais” do que a outra, o que pode não ser verdade. Pode significar apenas que a pessoa está mais segura e isso se reflete na forma com que ela expressa o seu afeto, geralmente mais comedido e discreto, contanto, o sentimento permanece sendo o mesmo entre ambos. Então é importante não nos apavorarmos com o primeiro empecilho que apareça e não nos deixarmos frustrar por coisas absolutamente normais em uma relação entre pessoas inevitavelmente diferentes. Resiliência sempre se faz importante.
Por outro lado, existe uma grande diferença entre um relacionamento saudável como o descrito acima, e um relacionamento abusivo. No primeiro caso, é possível saber que por mais que haja momentos que pareçam abusivos (um nervosismo, uma palavra mais áspera…), a pessoa é respeitosa e carinhosa na maior parte do tempo. Quando no segundo caso, a pessoa se vale da manipulação para exercer controle na relação e isso é estabelecido na quase totalidade do tempo juntos, seja através do medo, da violência, de críticas, ou da demonstração de afeto com o objetivo de manipular emocionalmente.
O comportamento da parte abusiva possui um padrão e uma continuidade. Ela determina que tudo seja do seu jeito, sem espaço para sugestões e opiniões da outra parte. Ela usa o afeto da parte abusada como ferramenta de manipulação (“se você não concordar, quer dizer que você não me ama…”), ela se vale de estratégias ilícitas para vencer qualquer discussão (distorcendo propositalmente o sentido do que a outra parte fala, por exemplo), ela tem atitudes que invariavelmente criam atritos entre o casal ou fazem com que a outra parte se sinta diminuída e menosprezada, acabando por ceder para que a situação não piore, por medo de perder a pessoa.
A parte abusada, por sua vez, geralmente é aquela tentando fazer a “coisa” dar certo. Passa anos tentando desvendar e entender o que a outra parte quer, o que a faz feliz, para então poder realizar e trazer paz à relação. Para chegar a isso, ela altera o próprio comportamento para se adequar aos requisitos do parceiro. Ela evita discutir e acaba concordando sempre para satisfazer a vontade da outra parte. Ela obedece, resiste e luta para que o relacionamento não se despedace. Até se anular, perder sua voz ativa e se tornar uma sombra de quem abusa dela.
Geralmente, uma pessoa dominada em um relacionamento abusivo não percebe o que acontece, justamente por estar manipulada pela outra parte que a faz acreditar que a ama, que faz tudo por “amor”, que sabe “o que é melhor para o casal”, quando na verdade só está querendo ser carregado por um trouxa.

 

*Foto por Nan Goldin, “Heart Shaped Bruise” (modelo que sofreu violência doméstica que gerou um hematoma em forma de coração).

**Ao som de A Perfect Circle.

Escrito por Brandt

Um Ted Mosby, disfarçado de Barney Stinson.

59 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *